Gigantes literários de 1920 e Woody Allen

"Woody Allen em boa forma e
Paris gloriosa nesta
fantasia cômica que
viaja no tempo."

Woody Allen adora Paris. Ele ama a chuva e as estátuas, os quiosques, as entradas de metro. Acima de tudo, ama a rica história de uma cidade cujos habitantes inventaram muitas das coisas que ele tanto preza: romance (e trapaças), filmes com legendas, café-filosóficos e a noção de grandeza de uma alegre boemia. Revivendo a Paris de Fitzgerald, Hemingway, Gertrude Stein e Picasso, Midnight in Paris, é uma carta de amor de Allen à Cidade Luz.

O seu alter ego, desta vez, é Owen Wilson como Gil Pender, um roteirista de Hollywood que ainda é jovem o suficiente para sentir dores por não ter testado a sério a si mesmo como um romancista.

Que as coisas não podem ser inteiramente certo entre Gil e sua insistente noiva Inez (Rachel McAdams) fica claro logo no início, como os passeios do casal por aí com amigos de Inez, Carol (Nina Arianda) e Paul (Michael Sheen), este último um especialista insuportável em todos os coisas culturais.

Eis que, naquela noite, enquanto caminhava por uma zona calma da cidade, Gil é convidado a entrar em um carro antigo e elegante carregando alguns foliões embriagados. Ao chegar em uma festa ainda mais elegante, Gil logo descobre que ele está na companhia de F. Scott Fitzgerald e Zelda e que é Cole Porter que está ao piano. Mais tarde, eles acabam em um bar com Ernest Hemingway, que promete mostrar o romance inacabado de Gertrude Stein a ele.

E assim começa um vôo de fantasia que permite circular com Gil por essa Paris intelectual e maravilhosa, mas ainda há outros gigantes, tais como Dali, Picasso, Man Ray, T.S. Eliot e Luis Buñuel. Senão mais importante, ele também encontra a bela Adriana (Marion Cotillard), a ex-amante de Braque e Modigliani que agora está envolvida com Picasso e em breve sairá com Hemingway, mas é também, curiosamente receptiva a Gil, que parece de alguma forma diferente de todos os outros.

Gil continua retornando noite após noite a década de 1920, recebendo conselhos pertinentes de Stein sobre seu romance e tornando-se seriamente interessado em Adriana. Como Gil, Adriana está inquieto em seu presente: ela quer ser parte de la belle époque, e em um flashback-dentro-da-fantasia, ela e Gil são transportados para Maxim e ao Moulin Rouge para atender Toulouse-Lautrec, Gauguin e Degas.

Apesar de tudo ser feito levianamente na linha de estilo de Allen, o formato ainda assim permite que o escritor, que nunca foi tímido em homenagear seus ídolos no seu trabalho, pare para refletir sobre a maneira como as pessoas sempre idealizam períodos anteriores e momentos culturais, como se eles fossem automaticamente superiores ao que existe no momento.

Para qualquer um que se interesse por história, literatura ou cultura, Meia-noite em Paris será um prazer.

6 comentários:

Daniela! disse...

Cris que demais a idéia desse seu blog que é chic e poderoso! Um LUXO!!Parabéns!
Esse seu blog é perfeito, Cris.
Eu estou louca para ver esse filme do Woody, já um grande sucesso que abriu o último festival de Cannes com toda a platéia aplaudindo e a crítica dizendo "amém" "é bom" e tudo mais.
O jeito é aguardar chegar no brasil. Beijos doces, Dani

Annie disse...

Estou louca pra ver esse filme.

Miguel Pestana disse...

O filme é lindissimo.
Gostei imenso "percorrer" pelos anos 2o.

Parabens pelo blogue!


silenciosquefalam.blogspot.com

Marisete Zanon disse...

Maravilhoso o seu blog! E esse filme é lindo menina! Estou seguindo. Uma linda semana pra ti! Bjos.

Cris Valmont disse...

Obrigada Marisete, fico muito feliz que tenha gostado... Beijinhos...

Marli Tolosa disse...

Olá Cris,
Seu blog é perfeito. Sinto falta de
seu ponto de vista.Vena mais!