Kiki de Montparnasse - Biografia em HQ pela Record

“Kiki era maravilhosa de se ver, sendo seu rosto naturalmente bonito, ela o havia convertido em obra de arte, tinha um corpo prodigiosamente belo e uma voz agradável…. Kiki foi sem dúvida a rainha desse bairro de artista, sonho e destino de milhões de pessoas nos anos 20, e chegou a simbolizar tudo que oferecia Montparnasse”,
(Ernest Hemingway).

Sinopse: No Montparnasse de boemia e genialidade dos anos 1920, Kiki consegue sair da miséria para se tornar uma das figuras mais carismáticas da vanguarda e do entre-guerras. Companheira de Man Ray e inspiradora de suas fotos mais míticas, ela será imortalizada por Kisling, Foujita, Per Krohg, Calder, Utrillo e Léger. Mas se Kiki é a musa de uma geração que busca sair da ressaca da I Guerra Mundial, é antes de mais nada uma das primeiras mulheres emancipadas desse século. Para além da liberdade sexual e sentimental, Kiki se impõe no mundo por uma liberdade de tom, de palavra e de pensamento que vem de uma única escola: a vida.

Kiki de Montparnasse, graphic novel biográfica escrita por José-Louis Bocquet e ilustrada por Catel Muller, chega agora ao Brasil pelo selo Galera, da Editora Record. Publicado originalmente na França pela editora Casterman, o álbum conta a história de Alice Prin, que nasceu na vila francesa de Châtillon-sur-Seine, no despertar do século XX. Na Paris boêmia e genial dos anos 1920, tornou-se Kiki de Montparnasse, uma das figuras mais carismáticas e adoradas do período entre guerras. Da infância pobre no interior à agitada rotina entre a nata da classe artística parisiense da época, a tumultuada e marcante vida deste ícone cultural e sexual dos chamados Anos Loucos é retratada com paixão nesta graphic novel biográfica da dupla Catel & Bocquet. Vencedora de diversos prêmios na França e apontada como um dos títulos essenciais no Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême — um dos mais importantes do gênero — em 2008. Kiki de Montparnasse é resultado de uma extensa pesquisa por parte dos autores, que aparece na bela construção dos cenários e figurinos.

José-Louis Bocquet publicou seu primeiro romance pela Gallimard. Desde então, assinou outros sete e também biografias dedicada a Henri-Georges Clouzot, Georges Lautner e René Goscinny. Como escritor de quadrinhos, começou nas páginas da Metal Howling, e, em seguida, assinou uma dúzia de álbuns com artistas como Serge Clerc, Arno, Max, Philippe Berthet, Francis Vallès, Andréas Geffe e Stanilas. Kiki de Montparnasse é sua primeira graphic novel.

Catel Muller ilustrou mais de cinquenta livros, como as aventuras de Marion & Charles, com Fanny Joly, e a L´Encyclo dês filles, com Sonia Feertchak. Nos quadrinhos, criou a série Lucie, com a escritora Véronique Grisseaux. Desde então, três outros volumes desta heroína muito moderna foram publicadas. Catel também co-assinou, com De Metter, Le Sang dês Valentines, publicado pela Casterman e vencedor do prêmio Angoulême, em 2005.





4 comentários:

She disse...

Hey,Valmont. Olá.
É um prazer conhecer "Kiki", esta personagem até então desconhecida por mim.
Acho que uma das situações que mais encanta neste blog, é encontrar pessoas que influenciaram em coisas que talvez gostamos e não sabemos afundo de onde provém.
"-Conhecer pessoas conhecidas", acho que é esta a sensação que fica.
Mais uma vez, uma história muito bem contada por você.

Abraços.

She disse...

Ora, deveras fascinante, e lindíssima. Pelo que pude entender ela era então no mínimo inspiradora.

Ah, obrigada pelo elogio, afinal aprendi a escrever este tipo de texto com Balzac, existe uma tirada muito interessante em "Ilusões Perdidas", sobre artigos de crítica.

Beijos, e uma ótima semana.

Ademar Júnior disse...

Adorei seu texto e seu blog mais ainda.
Quando li esse livro, fiquei fascinado pela vida dessa artista.
Fiz uma resenha dele no meu blog, da uma olhada:
http://wp.me/pCGut-r2

Abraços!

Monike disse...

show

http://cha-com-cupcakes.blogspot.com

Bjs