Marcel Proust

Valentin Louis Georges Eugène Marcel Proust (10 de julho de 1871 - 18 de Novembro de 1922) foi um romancista , crítico e ensaísta francês mais conhecido por seu monumental À la recherche du temps perdu (Em Busca do Tempo Perdido). Foi publicada em sete partes, entre 1913 e 1927.

Proust nasceu em Auteuil (setor sul de Paris então 16º arrondissement ), na casa de seu tio-avô, dois meses após o Tratado de Frankfurt terminou formalmente a Guerra Franco-Prussiana. Seu nascimento ocorreu durante a violência que rodeou a supressão da Comuna de Paris, e a sua infância, com a consolidação da Terceira República Francesa. Muito do Em Busca do Tempo Perdido diz respeito à vastas mudanças, mais particularmente ao declínio da aristocracia e a ascensão da classe média que ocorreu na França durante a Terceira República e do fin de siècle.

"A sabedoria não se transmite, é preciso que nós a descubramos fazendo uma caminhada que ninguém pode fazer em nosso lugar e que ninguém nos pode evitar, porque a sabedoria é uma maneira de ver as coisas."
(Marcel Proust)
 
O pai de Proust, Achille Adrien Proust, foi um patologista proeminente e epidemiologista, responsável por estudar e tentar remediar as causas e os movimentos da cólera através da Europa e da Ásia, ele foi o autor de vários artigos e livros sobre medicina e higiene. Já sua mãe, Clémence Jeanne Weil, era filha de uma família judaica rica e culta da Alsácia. Ela foi alfabetizada e bem instruída; suas cartas demonstram um senso bem desenvolvido de humor, e seu domínio de Inglês foi suficiente para lhe fornecer a assistência necessária para as tentativas posteriores de seu filho em traduzir John Ruskin.

Com nove anos de idade, Proust teve um sério ataque de asma e, posteriormente, foi considerado uma criança doente. Passou longas férias na aldeia de Illiers. Esta aldeia, juntamente com lembranças da grande casa do seu tio em Auteuil, tornou-se o modelo para a cidade fictícia de Combray, onde algumas das cenas mais importantes de Em Busca do Tempo Perdido tem lugar. (Illiers foi rebatizado Illiers-Combray por ocasião das comemorações do centenário Proust).Com nove anos de idade, Proust teve um sério ataque de asma e, posteriormente, foi considerado uma criança doente. Passou longas férias na aldeia de Illiers. Esta aldeia, juntamente com lembranças da grande casa do seu tio em Auteuil, tornou-se o modelo para a cidade fictícia de Combray, onde algumas das cenas mais importantes de Em Busca do Tempo Perdido tem lugar. (Illiers foi rebatizado Illiers-Combray por ocasião das comemorações do centenário Proust).

Em 1882, na idade de onze anos, Proust se tornou um aluno no Liceu Condorcet, mas sua educação foi interrompida por causa de sua doença. Apesar disso, ele se destacou na literatura, recebendo um prêmio no seu último ano. Era através de seus colegas que ele tinha acesso a alguns dos salões da alta burguesia, experiências que lhe renderia material abundante para Em Busca do Tempo Perdido.

Apesar de sua saúde debilitada, Proust serviu um ano (1889-90) no exército francês, estacionado em Coligny Caserne em Orléans, uma experiência que é descrita em um episódio da longa The Guermantes' Way, a terceira parte de seu romance. Quando jovem, Proust era um diletante e um alpinista social cujas aspirações como escritor foram prejudicadas pela falta de disciplina. Sua reputação a partir deste período, como um esnobe e um amador, contribuíram para seus problemas mais tarde com a publicação de Swann's Way, a primeira parte de seu romance em grande escala, publicado em 1913.

Proust tinha uma estreita relação com sua mãe. A fim de agradar seu pai, que insistiu que ele seguisse uma carreira, Proust obteve uma posição de voluntário no Bibliothèque Mazarine no verão de 1896. Depois de esforço considerável, obteve uma licença por doença que se estendeu por vários anos até que ele foi considerado como tendo renunciado. Ele nunca trabalhou e não se mudou do apartamento de seus pais até depois que ambos estivessem mortos.

Proust, que era homossexual, foi um dos romancistas da Europa a tratar a homossexualidade de forma aberta. Sua vida em família mudou consideravelmente entre 1900 e 1905. Em fevereiro de 1903, o irmão de Proust, Robert, casou-se e deixou a casa da família. Seu pai morreu em novembro do mesmo ano. E em setembro de 1905 a querida mãe de Proust morreu. Ela deixou uma herança considerável. Sua saúde durante este período continuou a deteriorar-se.

Proust passou os últimos três anos da sua vida confinado em seu quarto, dormindo durante o dia e trabalhando à noite para concluir seu romance. Ele morreu de pneumonia e abscesso pulmonar em 1922. Foi sepultado no cemitério Père Lachaise, em Paris.

Infância e a escrita

Proust estava envolvido em escrever e publicar desde uma idade precoce. Além das revistas literárias com as quais ele foi associado, e em que ele publicou, enquanto na escola, La Revue Verte e La Revue Lilas, 1890-91, Proust publicou uma coluna regular a sociedade no jornal Le Mensuel. Em 1892 ele esteve envolvido na fundação de uma revista literária chamada Le Banquet e ao longo dos próximos anos Proust colaborou regularmente nesta revista e no prestigiado La Revue Blanche.

Em 1896, Les Plaisirs et les Jours, um compêndio de muitas destas primeiras peças, foi publicado. O livro inclui um prefácio de Anatole France, desenhos pela sra. Lemaire, e era tão suntuosamente produzido que custou o dobro do preço normal de um livro de seu tamanho.

Naquele ano, Proust também começou a trabalhar em uma novela, que foi finalmente publicado póstumamente em 1954 e intitulado Jean Santeuil por seus editores. Muitos dos temas mais desenvolvidos em Em Busca do Tempo Perdido encontra-se articulados pela primeira vez nesta obra inacabada, incluindo o enigma da memória e da necessidade de reflexão; várias seções de Em busca do tempo perdido pode ser lido no primeiro projeto de Jean Santeuil. O retrato dos pais em Jean Santeuil é bastante dura em contraste a adoração com a qual os pais são pintados na obra-prima de Proust. Na sequencia da má recepção de Les Plaisirs et les Jours, e resolver problemas internos com o enredo, Proust gradualmente abandonada Jean Santeuil em 1897 e parou de trabalhar nele inteiramente em 1899.

Começando em 1895 Proust passou vários anos lendo Carlyle, Emerson, e John Ruskin. Através destas leituras, Proust começou a refinar suas próprias teorias da arte e do papel do artista na sociedade. A responsabilidade do artista é enfrentar a aparência da natureza, deduzir a sua essência e recontar ou explicar a essência da obra de arte. Ruskin foi fundamental para essa concepção e tão importante para Proust que ele afirmou não conhecer "de coração", vários livros de Ruskin, incluindo Seven Lamps of Architecture, The Bible of Amiens, e Praeterita.

Proust traduziu duas das obras de Ruskin em francês, mas foi prejudicado por um domínio imperfeito do Inglês. A fim de compensar isso ele fez suas traduções um caso de grupo: esboçadas por sua mãe, os projetos foram inicialmente revisto por Proust, em seguida por Marie Nordlinger, a prima inglesa de seu amigo e um amante Reynaldo Hahn, então, finalmente, polido novamente por Proust. Confrontado sobre o seu método por um editor, Proust respondeu: "Não tenho a pretensão de saber inglês; eu reivindico saber Ruskin." The Bible of Amien, com a longa introdução de Proust, foi publicado em francês em 1904. Tanto a tradução como a introdução, obtiveram boas críticas; Henri Bergson chamou a introdução de Proust de "um contribuição importante para a psicologia do Ruskin" e elogiou semelhantemente a tradução. Na altura desta publicação, Proust já estava trabalhando na tradução de Sesame and Lilies de Ruskin, que terminou em junho de 1905, pouco antes da morte de sua mãe, e publicado em 1906. Historiadores e críticos literários verificaram que, além de Ruskin, Proust foi influenciado pela literatura de Saint-Simon, Montaigne, Stendhal, Flaubert, George Eliot, Fiódor Dostoiévski, e Leo Tolstoi.

1908 foi um ano importante para o desenvolvimento de Proust como escritor. Durante a primeira parte do ano, ele colaborou em vários jornais de outros escritores. Além disso, na primavera e no verão desse ano Proust começou a trabalhar em vários fragmentos diferentes de escrita que mais tarde foram reunidos sob o título de Contre Saint-Beuve. Proust descreveu o que ele estava trabalhando em uma carta a um amigo: "Eu tenho em andamento: um estudo sobre a nobreza, um romance em Paris, um ensaio sobre Sainte-Beuve e Flaubert, um ensaio sobre as mulheres, um ensaio sobre a pederastia (não é fácil publicar), um estudo sobre os vitrais, um estudo sobre as lápides, um estudo sobre o romance.

A partir desses fragmentos díspares Proust começou a dar forma a uma novela em que trabalhou continuamente durante esse período. Ela foi terminada com uma análise crítica de Sainte-Beuve e uma refutação de sua teoria de que a biografia é o instrumento mais importante para entender o trabalho de um artista. Com a dificuldade em encontrar um editor, bem como uma concepção, mudando gradualmente de seu romance, Proust levou a jornada de trabalho para um projeto substancialmente diferentes, que ainda continha muitos dos mesmos temas e elementos. Em 1910, ele ainda estava trabalhando em À la recherche du temps perdu.

Em Busca do Tempo Perdido

Iniciada em 1909, À la recherche du temps perdu é composto de sete volumes totalizando cerca de 3.200 páginas (cerca de 4.300 na tradução da The Modern Library) e com mais de 2.000 caracteres. Graham Greene chamou Proust o romancista maior "do século 20", e W. Somerset Maugham chamou o romance de ficção de o "maior até esta data." Proust morreu antes de completar sua revisão dos projetos e das provas do final do volume, os três últimos dos quais foram publicados postumamente e editado por seu irmão, Robert.

O livro foi traduzido para o inglês por Scott Moncrieff, aparecendo como Remembrance of Things Past, entre 1922 e 1931. Scott Moncrieff traduziu seis dos sete volumes, morrendo antes de completar o último. Este último volume foi rendido por outros tradutores em momentos diferentes. Quando a tradução Scott Moncrieff foi posteriormente revisto (primeiro Kilmartin, então por Enright) o título do romance foi alterado, para o mais literal Em Busca do Tempo Perdido.

"Para tornar a realidade suportável,
todos temos de cultivar em nós
certas pequenas loucuras." 
(Marcel Proust)

Bibliografia

• 1896 Les plaisirs et les jours
• 1904 La Bible D'Amiens; tradução de The Bible of Amiens de Ruskin
• 1906 Sésame et les lys; tradução de Sesame and Lilies de Ruskin
• 1913–27 À la recherche du temps perdu
• Du côté de chez Swann,1913
• À l'ombre des jeunes filles en fleurs, 1919
• Le Côté de Guermantes, 1920/21
• Sodome et Gomorrhe, 1921/22
• La Prisonnière, 1923
• La Fugitive e Albertine disparue, 1925
• Le Temps retrouvé, 1927
• 1919 Pastiches et mélanges
• 1954 Contre Sainte-Beuve
• 1954 Jean Santeuil
• La Prisonnière, 1923
• La Fugitive e Albertine disparue, 1925
• Le Temps retrouvé, 1927
• 1919 Pastiches et mélanges
• 1954 Contre Sainte-Beuve
• 1954 Jean Santeuil

Um comentário:

Antonio Augusto disse...

Prezada Cris,

Gostei muito de seu trabalho sobre os 20's. É assunto de meu interesse. Faço retratos de boa parte dos envolvidos. Tramito pela pop art, embora o povo retratado estja entre 1890 e 1939. Você estaria interessada em vê-los? Ainda não tenho espaço onde mostrá-los. Abraço, Antonio Augusto (antonioa.mariantefurtado5@gmail.com)